quarta-feira, abril 02, 2008

Just a little unwell.



“All day staring at the ceiling making friends with shadows of my own,
[O dia inteiro fitando o teto, fazendo amizade com sombras de mim mesmo]
All night hearing voices telling me that I should get some sleep,
[A noite toda ouvindo vozes me dizendo pra dormir]
Because tomorrow might be good for something.
[Porque amanhã pode servir pra alguma coisa.]

Hold on,
[Pera ae,]
Feeling like I’m headed for a breakdown.
[Parece que eu estou no caminho de me foder ;P]
And I don’t know why!
[E eu nem sei porque.]

But I'm not crazy, I'm just a little unwell
[Mas eu não sou doido, só tô meio mal]
I know right now you can't tell
[Eu sei que agora não dá pra você perceber]
But stay awhile and maybe then you'll see
[Mas fica um pouquinho e então você vai ver]
A different side of me
[Um outro lado meu.]
I'm not crazy, I'm just a little impaired
[Eu não sou maluco, eu só tô meio lesado]
I know right now you don't care
[Eu sei que agora você não se importa]
But soon enough you're gonna think of me
[Mas logo menos você vai pensar em mim]
And how I used to be...me
[E em como eu costumava ser... eu mesmo.]”



Nas últimas quatro semanas tenho ouvido “você só pode estar maluco” com uma freqüência maior do que o normal.

Não que algum dia eu tenha sido qualquer coisa próxima de normal, mas eu também não acho que seja totalmente surtado. Só tomei algumas decisões, reavaliei algumas situações, e estou tentando encontrar o melhor percurso de ações a serem tomadas ;P.

Ou não.

Na real, cansei um pouquinho de ficar tentando planejar as coisas e depois ficar torcendo pra tudo dar certo – quando não depende só de mim. Quem me conhece a mais tempo sabe que eu já tive uma fase de “foda-se” total, e uma fase de manipulação total. Eu estou ligeiramente tentado a ligar o foda-se novamente. A única coisa que me impede, ainda, é que eu deixei muita gente pra trás na minha última fase igual, e perdi muita gente importante, que hoje eu me arrependo.

Me falta aquele “balanço” do outro post.

Mas confesso que estou um pouco frustrado com a forma que as coisas estão atualmente. Que falta alguma coisa, eu sei, sempre falta, mas mais do que isso, parece que tudo o que eu me esforcei pra conseguir nos últimos tempos acabou não tendo o resultado que eu queria, nem minha troca de faculdades tem me agradado mais.

Por isso eu digo que queria sair fora, passar seis meses em algum lugar longe, embora alguns dos meus melhores amigos não gostem da idéia. Preciso de um tempo de férias de mim mesmo. Se algumas vezes eu nem eu me suporto, não sei como as pessoas conseguem andar do meu lado.

Essas últimas semanas estão servindo pra que eu tente encontrar, de novo, uma partezinha de mim que parecia ter se escondido, sumido. Uma parte que me fazia bem, e mal, mas que era minha e eu sabia como recorrer a ela quando precisasse. Ela não é a única que desapareceu, mas é a parte da minha personalidade que eu sinto mais falta agora. Por isso, não é que eu esteja maluco ;P, é só uma fase.

Eu ainda não mordo. Quer dizer, não pra machucar.


--

PS1: A música de introdução é do Matchbox 20, chama Unwell.

PS2: Esse é o post de número 70 do blog ;P, wow. Logo, o anterior é o de número 69. Sugestivo. =XXX

3 comentários:

Flines disse...

Ficar muito tempo longe de casa on your own e não ser turista te deixa muito mais próximo de você e de qualquer coisa viva. É tipo uma overdose. E não é bom. É como se um simples toque fosse transformado em apertão de ferida, um bom dia em grito ao pé do ouvido.
Definitivamente, não é o que você precisa. Você precisa de paz, de carinho, de bons amigos e de prazer nas pequenas coisas, vontade de sair da cama, vontade de ver o que o dia novo vai trazer. Fugir em camuflagem de estudar um semestre fora não vai ajudar.

Bom, comentei a parte que me tocou.

Agora, eu não acho que você esteja louco nem nada. Fases acontecem, principalmente as difíceis e aparentemente eternas.

Acho que se frustrar com o presente é a principal arma da vida para que façamos alguma coisa em prol da felicidade, ou pra que enxerguemos o caminho certo da felicidade, não esse no qual insistimos.

carol pedrosa disse...

eu também queria fugir proutro lugar, beibéé!

mas relaxa, a parte que sumiu volta, só cuidado com as conseqüências dos seu atos. cuidado pra não magoar quem te quer bem.

beijo.

- Morgana disse...

Albergue é a solução. \m/