quinta-feira, abril 10, 2008

Digo verdades brincando...




“Se você tivesse acreditado na minha brincadeira de dizer verdades, teria ouvido verdades que teimo em dizer brincando. Falei muitas vezes como um palhaço, mas nunca desacreditei da seriedade da platéia que sorria.”


Não existe uma forma mais bacana de se comunicar, ao meu ver, do que através do humor. Existem, é óbvio, vários tipos de humor muito característicos e que dependem totalmente da personalidade da pessoa, mas humor é fundamental. Eu, particularmente, gosto do meu humor – me comunico através dele, sempre. Não é que eu não fale sério nunca, ou que eu evite falar sério, mas acho que existem formas diferentes e menos agressivas de se passar uma mensagem importante além da pausa para uma conversa séria.

Você pode aprender muitas coisas prestando atenção no conteúdo e na forma das brincadeiras que as pessoas fazem umas com as outras. Aquele dito popular de que toda brincadeira tem um fundo de verdade é extremamente real. Toda brincadeira tem um fundo de verdade – e muito mais que isso.

Eu falo verdades brincando. A frase não é minha, e sim de alguém muito, muito superior – Charlie Chaplin.

Meus amigos sabem o quanto eu evito ao máximo contar mentiras, não gosto de inventar histórias para justificar coisa ou outra, eu acho que devo responder pelas minhas ações – e somente elas, e não vejo motivos para deixar de colocar minhas opiniões quando enxergo necessidade, mas dizer a verdade, muitas vezes, não é algo visto com muito bons olhos, ou entendido da forma como deveria ser.

As pessoas não aceitam muito bem críticas ou comentários verdadeiros sobre assuntos polêmicos ou questões que de alguma forma as atingem. Além disso, em alguns momentos, você se vê em uma situação que precisa contar algo que não gostaria ou que até gostaria, mas não sabe direito como. Para essas situações, eu utilizo o humor. É o melhor quebra-gelo que conheço, e faz com que suas colocações sejam menos intrusivas (ou mais, se for esse o objetivo), e mais bem aceitas.

Uma crítica bem humorada surte muito mais efeito do que uma crítica séria. O humor, por ser subjetivo, também costuma deixar um tom de dúvida pairando que as vezes é eficiente para situações que você quer que a coisa seja entendida de forma dúbia, ou fazer um misteriosinho, ou deixar a pessoa pensando no que você disse – querendo saber se é verdade.

O humor pode ser uma ferramenta bem mais agressiva também, um comentário carregado por um humor irônico ou satírico normalmente causa uma estranheza ou um incômodo. É uma excelente forma de provocação, e acredito que é mais ou menos nessa linha que o Chaplin vai...

Não na provocação per se, mas sem abandoná-la, ele brinca de dizer a verdade – esse é o passatempo dele (e meu também), e faz isso de uma forma cômica, engraçada e que por isso, muitas vezes, é ignorada. Acaba passando apenas como uma palhaçada quando na verdade existe toda uma mensagem por trás – isso as vezes serve até para selecionar as pessoas que você gostaria que compreendessem sua mensagem.

Essa frase é uma das minhas favoritas porque é uma das poucas que obtive identificação total e completa à primeira lida. Também sinto que as pessoas não levam muito a sério os meus comentários humorísticos sobre o assunto que seja, só porque os faço brincando e dando risada – mas poderia muito bem fazer chorando e soluçando, algumas vezes essa é até a minha vontade, mas não é minha abordagem e não combina com a minha pessoa. Não que isso seja de todo ruim, as vezes me sinto até confortável – e funciona como defesa – em dizer algumas coisas brincando com a certeza de que a pessoa não vai acreditar mesmo em nada do que eu disse, por mais que seja verdade, só porque foi em tom de brincadeira. É como se desse uma certa liberdade – ufa, falei, não importa se não levaram a sério.

O que importa é ter alguma pra dizer, e ser sincero quanto a isso. A escolha da sua forma de ser sincero é totalmente pessoal, e eu gosto da minha – e da do Chaplin também.

6 comentários:

Flines disse...

Tudo muito bacana, mas eu não acho que toda brincadeira tenha um fundo de verdade. Pode ser que quase todas tenham, mas todas é exagero.

Flines disse...

O movimento por aqui é tão inconstante... o_o

Journeyman disse...

Quando o texto é grande e sério as pessoas não leêm, ou não comentam, o.o... normal.

Journeyman disse...

Quando o texto é grande e sério as pessoas não leêm, ou não comentam, o.o... normal.

Ana Lulu disse...

Acho que o pior do humor, é quando você tenta falar algo sério brincando, e as outras pessoas não conseguem te compreender. Ou simplesmente pensam que você não se importa porque tudo na sua vida é uma grande risada. :p
Mas, ainda acho que podemos viver melhor e sofrermos menos, quando aprendemos a levar as coisas com menos seriedade e a observar as mensagens subliminares que nos são passadas a todo o momento, mesmo que estas venham através das brincadeiras como você bem disse. :)

Gostei do texto!! =*

Hallyson disse...

Gostei muito da forma como iniciou o seu texto, com uma citação do mestre Chaplin. Parabéns pela escrita, deveras coerente, por sinal.