quarta-feira, julho 04, 2007

Eu vou reclamar de novo...

Eu tenho uma pergunta.

De todas as vezes que você planeja alguma coisa, quantas vezes ela sai do jeito que você queria? Quer dizer... as vezes você tem um plano, tipo o Cebolinha, saca? Você passa alguns dias pensando em como fazer acontecer do jeito certo, então você traça mentalmente algumas possibilidades e alguns problemas e as formas de resolvê-los, dai toma coragem e bota as engrenagens pra funcionar. Quantas vezes as coisas realmente funcionam do jeito que você esperava?

Não sei se é só comigo, mas sempre que planejo fazer alguma coisa é inevitável que ela dê errado. Verdade seja dita, eu tenho vinte e um anos e não há nada de diferente na minha vida a pelo menos uns três ou quatro - sequer consegui terminar de tirar a carta de motorista (desisti no meio), o que por si só já revela a ponta da pateticidade da situação. Na verdade, é batata, é só eu planejar alguma coisa que, não importa o motivo, sempre acontece algo para me frustrar.

Da forma que eu vejo só existem dois tipos de pessoas. Aquelas que planejam as coisas, e as que reagem de acordo com o que acontece. Não entro nem na questão de ativo/passivo, não é nesse ponto que eu quero chegar, porque quem reage as situações não é uma pessoa passiva, passivo é o que se deixa levar por elas sem tomar atitude alguma. Normalmente, quando eu desencano e deixo as coisas acontecerem, e então só reajo, eu costumo ficar mais satisfeito. É como se você não esperasse por nada, então tudo é bacana e surpreendente. As atitudes que eu tomo na hora que surgem as situações normalmente tem resultados melhores do que as planejadas. As vezes (frequentemente) eu embaralho tudo e faço merda, mas tudo bem, isso dá pra arrumar.

Acho que a minha maior dificuldade é que não sou uma pessoa do tipo “ativa” no sentido de responder prontamente a um estímulo. Eu faço mais o perfil da pessoa que gosta de pensar um pouquinho sobre o assunto, o que normalmente funcionaria bem para alguém que planeja, mas não para alguém que reage. Além disso, eu tenho alguns problemas dignos desse tipo de perfil, como por exemplo a preguiça (que não consigo controlar), ou o medo (que aprendi a lidar), entre outros, que fazem com que algo que deveria ser teoricamente simples se torne muito mais complicado. Quando você é do tipo planejador, você pode ser medroso e preguiçoso porque as coisas levam algum tempo para acontecer, mas se você levar a diante, elas dão certo. Comigo não. Por outro lado, se você é do tipo que reage, normalmente não tem tempo para confrontar essas questões ou a oportunidade passa (ou você faz merda).

Frustrante, né? Eu sei. Faz parte. Toda vez que acontece algo que me frustra eu prometo pra mim mesmo que vou parar de planejar, que vou deixar as coisas acontecerem e reagir as situações (alguma coisa de destino, que eu não acredito), mas é muito difícil conseguir, porque vai muito contra o que eu sou. Então cada esforço é exaustivo. Acho que o que salva, é o fato de embora caiba perfeitamente no perfil de quem planeja, eu sou extremamente ansioso. Coisa de gordo. E essa ansiosidade acaba manifestando uma impulsividade, que facilita reagir às situações. Porém, por não ser um impulsivo por natureza, e não saber controlar isso do jeito certo, acabo atraindo traços como o afobamento e a imprudência – e ai cometendo erros que me frustram igualmente.

No final, eu fico frustrado dos dois jeitos. Frustrado e entediado. Vai entender.

2 comentários:

julie. disse...

Ah acho que com todo mundo é assim. Nada é EXATAMENTE como a gente quer, por mais que a gente se esforece, batalhe, planeje por dias e dias, é fato, nunca sai exatamente como era pra ter saido. Eu já me frustrei tanto com isso que agora eu faço as coisas sempre pensando no pior. Soa meio pessimista mas pelo menos eu já to preparada quando der errado.

Flines disse...

É muito fácil planejar e querer que as coisas aconteçam. Mais fácil ainda é ser preguiçoso e depois reclamar.

Você tem um plano, ok. Você tem que fazer tudo - entende o TUDO? - pra que dê certo, o ar não lê seu pensamento e realiza seus sonhos.

Se você planeja ir ao cinema, tem que se arrumar e ir até o cinema.

Frustrações existem porque apesar das escolhas, existem as contingências. É como ficar paraplégico, você não pôde escolher, mas tem que lidar com a situação e traçar plano B, C, de última hora.

A vida é uma sucessão de planos. Planos que dão errado e planos que dão certo. Mas nós tendemos a prestar mais atenção no que dá errado. Como uma casa. Se está limpa, é o cenário. Se está suja, meu deus, essa casa tá imunda, ninguém limpa essa porcaria, não?

Marque os seus planos. Veja de fato o que dá certo e o que dá errado.