segunda-feira, julho 06, 2009

About Perfection



Ele soltava propositalmente pequenas lufadas de ar do pulmão e as observava condensar ao tocar o ar gelado de fora, hora ou outra tentando formar objetos com movimentos dos lábios. Ela escorava as costas em uma parede mal pintada e observava a meia-lua alta no céu, cercada de estrelas. Ambos estavam sentados em uma escadaria pequena, que dava em uma porta grande, em uma sala maior ainda e em um lugar cheio de pessoas - todas as pessoas, menos as que eles realmente gostariam de estar ao lado. Estas, encontravam-se do lado de fora.

Ele retirou de dentro da jaqueta preta um cigarro de maconha feito à mão - bolado, como ele o chamava, e ela nunca conseguiu entender o porque. Colocou na boca e acendeu com um isqueiro zippo estampado com a silhueta do Elvis.

- Você não acha que isso ai te faz mal, não? - ela rompeu o silêncio, olhando pra ele por alguns segundos, sem julgar, subitamente curiosa.

- Ah meu... sei lá, sabe?

- Não?

- Tipo, tem tanta coisa por aí que te faz mal... saca? Cigarro, álcool, até uns tipos de comida... Meu, tem gente que diz até que beijar na boca causa câncer. Acho que dos males todos que tem por ai, esse aqui nem é tão grande assim...

- É... pode ser. - ela pareceu divagar por alguns instantes, mas logo perdeu interesse pelo assunto - Eu não acho que ficaria com um cara que fuma maconha...

Ele tragou o cigarro o máximo que pode, prendeu a fumaça no pulmão e então soltou-a para cima.

- Você é tão decidida... né? - ele também falava sem julgar. - Tenho um pouco de inveja desse seu saber exatamente do que você gosta... e o que você quer. De traçar planos e tal... Pra mim é tão difícil.

Ela moveu cuidadosamente uma mecha de cabelo avermelhado e levemente ondulado de sobre os olhos azuis e os colocou atrás da orelha. Sorriu abertamente um daqueles sorrisos que mostram todos os dentes.

- Não é bem assim. Antes fosse. Acho que na verdade eu faço vários planos, sim... mas eu fico esperando alguma coisa que mude com todos eles, sabe? Que me tome, e me erga no ar e me deixe ao léu... flutuando... sem saber bem direito onde tudo vai parar. Assim, meio arrebatador... que eu não saiba direito como lidar.

- Tipo o amor?

- É... tipo o amor.

Ele riu baixo e tragou de novo o cigarro de maconha.

- Que?

- O que?

- Que você riu?

Ele riu de novo.

- É que eu acho que o cara que você idealiza tanto jamais vai ser capaz de te fazer sentir assim... né? Quer dizer... se você já sabe direitinho como ele é, e exatamente o que você pode esperar dele, não acaba perdendo justamente essa surpresa toda que você gostaria que acontecesse?

- Mas foi isso que eu disse...

- Foi?

- É... acho que sim...

- Então, se pá, você ficaria com um cara que fuma maconha, porque ele é que pode ser o fator surpresa que te faz flutuar rumo ao desconhecido... - ele falou em tom de ironia, brincando - e não o príncipe encantado de todos esses seus planos, perfeitinho do jeito que você imagina... Talvez esses defeitos sejam parte do que faz alguém ser surpreendente.

- Ai, Arthur... que chato! Até parece que você não faz planos, que não fica imaginando como seria a sua mulher perfeita... - ela o encarou nos olhos.

- Talvez - ele revirou os olhos, mordiscando o lábio inferior.

- E como ela seria? - ela fixou ainda mais os olhos nele, interessada.

- Incrivelmente gata!

Os dois riram, ela deu um soquinho fraco no ombro dele.

- Sério! Diz!

- Hm... é dificil. Sei lá...

Ela ficou em silêncio, atenta. Ele deu outro trago.

- Acho que a mulher dos meus planos seria uma mulher decidida, que soubesse exatamente o que ela quer e onde ela quer chegar, e que lutasse pra conseguir chegar lá – sem medo. Mas que ao mesmo tempo, soubesse valorizar o incrível, o improviso, e que topasse se arriscar a retardar um pouco os seus planos pra tentar algo que pode ser melhor. Que esteja disposta a errar um pouquinho e experimentar, tentar, e crescer com isso.


Ela baixou o rosto, corando um pouco.

- Ela seria uma mulher linda, feminina e com jeito de menina... e ainda assim mulher. Que não tivesse medo de se divertir e nem medo de enfrentar os problemas, quando necessário. Que curtisse uma festa com bebidas e dançar, mas também soubesse reconhecer o quanto é gostoso ficar sentada no frio olhando pra lua e conversando sobre filosofia. Que fosse feliz, e triste, e feliz, e triste... daquele jeito que te dá vontade de abraçar e cuidar pra sempre.

- Você é muito bobo... - ela murmurou baixo.

- É... se pá. Haha... - ele ergueu a cabeça, olhando para a lua no céu. Ela ergueu a dela, olhando para o formato do queixo dele, e como os seus lábios grossos e vermelhos combinavam com a pele pálida e os cabelos negros. - E o seu homem perfeito?

- O meu?

- É.

Ela não conseguiu controlar a mão, que lentamente se aproximava da dele, deixando roçar de leve o dedo indicador por sobre os dedos de Artie.

- Meu homem perfeito é alguém que conseguisse entender o quanto eu sou complicada e o quanto nem eu mesma me entendo, mas que gostasse mesmo é disso, da minha confusãozinha... Que não cobrasse de mim nada mais do que eu realmente sou, e posso dar, e que fosse feliz assim. Alguém que me lesse desse jeito - como uma personagem incrível de um livro ou filme de romance...

- Heroína ou vilã? - ele entrelaçou os dedos dele nos dela, olhando-a com atenção e aproximando um pouco mais o corpo.

- Acho que toda mulher é um pouco dos dois... mas tanto faz, heroína ou vilã é ponto de vista. Não é o que define uma personagem como especial ou não. - ela fechou os olhos.

Ele aproximou o rosto do dela, deixou o cheiro do perfume dos cabelos recém lavados lhe invadirem as narinas. Os seus lábios tocaram de leve a bochecha repleta de sardas. Ela entreabriu os lábios. Ele beijou de leve o canto deles e a percebeu sorrir. Deixou de lado o cigarro de maconha e a abraçou com carinho, só então realmente beijando-a. Após alguns segundos, ela afastou um pouco o rosto e murmurou em um tom brincalhão:

- Mas você vai parar de fumar maconha, né?

Ele riu e voltou a beijá-la.

3 comentários:

Ana disse...

Muito bom o diálogo!

Você já sabe que curti, mas vou dizer aqui de novo para vc ter comentário. :D

Jackie Bei disse...

Que lindo!

Bia disse...

Faço das palavras da Ana as minhas!

E.... Vc vai parar d fumr maconha, neh?